30 de janeiro de 2018

Entrelaça a perna, contorna a alma, respira fundo, soltando o ar len ta men te...

Passando pelos lábios vermelhos, fugindo pelos ares poluídos da cidade.

As estrelas se escondendo atrás das nuvens, a lua cheia dos incômodos, se afinando a cada momento.

Ela vai, encontra sua maneira de ressuscitar, explode em transe. Ele puxa suas mãos, passa pela cintura, agarra seu pescoço, beija sua boca, encaixa o corpo ali... e morre.




28 de janeiro de 2018

Coma

Para ler ouvindo - Coma


Naquela noite fria, ela se contorceu na cama. Sentia-se extremamente inquieta.
Seus sentidos estavam extremamente aguçados.
Sentia a espinha se arrepiar, um calafrio incontrolável, um desejo sem fim percorria cada célula de seu corpo.
Adormeceu mesmo estando completamente alerta... acordou quando ainda estava escuro, suando frio, os joelhos doendo.
Andou pela casa procurando algo sem saber ao certo o que era... tomou um banho gelado, vestiu uma roupa, escolheu a cor do batom, combinando com as unhas e saiu apressada.

A voluptuosidade do seu caminhar era algo desconsertante.Todos a olhavam...
O beijo deixara um gosto intenso que durou dias em sua boca, sentia o toque na pele como nunca havia sentido antes... Havia algo que faltava todos os dias.
Percorreu avenidas, becos, e largas ruas com arvores de grandes copas.
Seus olhos brilhavam, seu sorriso era largo.

Ela ia e voltava em minha mente.
De todos os dias que se passaram o tempo foi perverso demais.

Umedecia os lábios e seguia a passos largos.

Quando encontrou o que aparentemente lhe faltava, se entregou com gula até ficar farta. As pernas tremiam. A boca ressecou, as mãos fraquejaram.

Retornou para casa e por meses ficou em transe.
As horas passavam lentas, ela se sentava com calma e tomava seu café olhando as nuvens num céu azul de verão.

Parou para pensar nas insanidades de toda uma vivência, calou a mente por um momento, absorvendo o coma em que vivera. Pensava que havia sido um sonho, desde aquela noite, já não se reconhecia nos movimentos, que estavam desconcertados. Ainda assim a realidade lhe batia forte no rosto.

Quando a noite caía sentia-se enjoada, pavor das grades que lhe cercavam. Queria sair, não podia sair. Queria gritar, a voz não saía.
Se entregava às amarras, abaixava a cabeça e apenas se submetia.
O toque era delicado, apesar da pressão.

O gemido apertava o peito, a nudez da alma aparecia em seus olhos como fantasma.

Ela se contorceu na cama.
De novo tomou um banho gelado, vestiu uma roupa, escolheu a cor do batom, combinando com as unhas e saiu apressada em toda sua voluptuosidade em busca de um novo coma.

Voltaria em alguns meses.

26 de junho de 2016

Corre, escorre...

http://anaturalissima.com.br/

Teus odores, meus amores, 
Tuas tranças que contornam os ombros,
Trouxeram em mim, um outro olhar,
Talvez um movimento não-linear.
Talvez uma guerra em mim, em nós...
Toda fúria se espalha,
Tendo em vista uma revolução, quando tudo é profetização...
Teu ventre sangra, 
Tua boca chama, nas ruas gritam, ecoam a canção.

Tudo que era cinza, cinzas, bitucas, se foram, correram.
Tudo têm-se feito vermelho, 

Tensão que pulsa no corpo, na alma, no gueto.
Talhando a vida daquela que briga pelo menor
Teus braços adormecem
Tuas pernas bambeiam
Teu corpo enlouquece
Teu corpo vermelho.
Sangra...
Liberta...
Sangra a vida
Sangra a alma
Sangra o ventre.
Tua luta,
Tua glória,
Teu repente.

7 de dezembro de 2015

Fúria

Querida V.

Um vento gelado entra sutilmente pela janela, deixando os pelos do meu corpo arrepiados.
Eu tentei escrever algo, mas as dores que eu sentia eram intensas. 
Na noite anterior eu fui nocauteada por um infortúnio da natureza. 
Tudo vai doer por mais alguns dias.

Quando eu paro para pensar em tudo o que já passei por essa vida, deixando a nostalgia me levar pra lugares longes, eu volto assim meio cansada, meio triste. Você sabe como é.

Preciso te contar...
Um dia eu tentei ser tudo o que eu odeio.
Um dia eu tentei ser o que as pessoas esperam que eu seja.
Fui tão infeliz nessa tentativa, que preferi me desconectar desse mundo que me parece tão maldito e cruel.

Você percebeu que eu voltei a ler, voltei a escrever... mas ainda não decidi se voltarei a ter algum outro tipo de movimento auto destrutivo, já que ler e escrever geralmente acabam com a gente.
Colocar a mente pra trabalhar não é pra qualquer um...

Eu tenho minhas convicções, meus desejos, minhas inspirações, meus ideais. Só não esperava que isso fosse enfurecer tanto as pessoas que me rodeavam e todas as outras do mundo.

Quando decidi que não mais seria o que elas esperavam de mim, parecia que eu iria voltar a ser o que eu era antes...
Mas as pessoas não entendem que depois de uma experiencia tão caótica, é impossível sermos exatamente o que éramos antes. Parece que nem você entendeu isso ainda.

Por isso estou aqui.
Cuspindo essas palavras enquanto os pelos do meu corpo ficam em pé...
Já não sei se é por causa do vento gelado ou por causa do frio na barriga que dá todas as vezes que penso que algo está para mudar.

Mudança é algo sempre complicado.
Mas não vou me deixar levar pelo o que o mundo espera de mim.

Por isso estou partindo.
Vou pra onde eu possa ser quem eu quiser.
Não me espere.

Love.
C.














30 de outubro de 2015

O tamanho do meu mundo.

Para ler ouvindo: Freak


Meu mundo costumava ser imenso.
Cheio de curvas, estradas intermináveis e lugares incríveis e infinitos.

Um dia, eu encontrei um precipício em meu mundo... me aventurei na descida... quase caí diversas vezes...
Eu ia cada vez mais fundo...
Então eu parei. olhei para o alto. Olhei para baixo. Senti medo.
Decidi voltar.
Em terra firme, fui em busca de outros lugares...

No meu mundo haviam pessoas que diziam mil coisas... Inclusive que meu mundo era grande demais para mim.
Sim, meu mundo costumava ser imenso... E eu adorava explora-lo, conhece-lo, inventa-lo e reinventa-lo.

A cada volta, meu mundo ia ficando menor. Então, chegou um momento em que eu já conhecia cada canto daquele mundo...
Ele então ficou pequeno... não havia mais onde ver coisas novas.
Decidi mudar meu mundo.
Comecei com essas pequenas mudanças...
Trocando olhares, inventando novas estradas.

Foi numa das conversas com pessoas do meu mundo que falei: "Tenho uma imensa vontade de mudar o mundo."

Percebi então que as pessoas que ali habitavam não queriam que eu mudasse aquele mundo tão imenso para elas... 
E para elas era imenso porque não saíam do lugar onde estavam... Enquanto eu percorria cada canto daquele mundo... até no abismo me meti!

Então decidi diminuir meu mundo... 
Deixei poucas pessoas nele. 
Poucos lugares a serem explorados... Foi uma grande mudança para o mundo que eu o diminuísse tanto...

Mas a vida é tão engraçada que ao tentar percorrer as novas estradas que criei em meu mundo, pessoas novas foram surgindo e precisei aumentar meu mundo.
Então ele foi crescendo, e crescendo e está crescendo a cada dia...
Ah mundo... Você cresceu sem eu sentir...

Então cá estou percorrendo esse mundo novo...
E então, decido explorar novos lugares...

Vê? Meu mundo já foi imenso. Já foi pequenininho. E agora está crescendo de novo...
Quero muda-lo sempre... E essa mudança só eu posso fazer porque é o meu mundo.
Mas tem sempre alguém para dizer que o mundo é grande demais pra ser mudado por uma única pessoa.

Bem, vou então mudar o meu mundo em silêncio. Assim, talvez, as pessoas ao meu redor parem de dizer qual é o tamanho do meu mundo e me deixem muda-lo em paz.



Afinal... No meu mundo, mando eu.

#meumundo
#meucorpominhasregras